Revista Brasileira de Psicoteratia

Submissão Online Revisar Artigo

Vol 15 N° 1  2013

 

Editorial
1 -  A nova Revista Brasileira de Psicoterapia: uma transição bem-sucedida
Marcelo P. Fleck
Páginas: 7 - 7

Descritores:

2 -  Editorial
Sidnei Schestatsky
Páginas: 8 - 9

Descritores:

Carta ao Editor
3 -  A experiência prática do iCelg na educação continuada em psicoterapia
Débora Schaf; Daniel Spritzer; Érico de Moura Silveira Júnior; Felipe Picon; grupo iCelg
Páginas: 10 - 11

Descritores:

Artigos Originais
4 -  A criança frente à doença e à morte: aspectos psiquiátricos
Ana Margareth Siqueira Bassols; Maria Lucrecia Zavaschi; Regina Beatriz Palma
Páginas: 12 - 25

Resumo

O atendimento da criança com doença grave ou terminal é uma situação bastante delicada e complexa, que envolve questões psicológicas importantes do paciente, de sua família e de todos os envolvidos no seu cuidado. A partir da revisão das etapas evolutivas das crianças, este artigo tem o objetivo de auxiliar a identificar as reações que elas apresentam diante da sua própria doença e/ou morte, ilustrando com alguns exemplos clínicos. Destaca-se a importância da participação da consultoria psiquiátrica na internação hospitalar em pediatria, que pode ser requisitada para avaliar e/ou atender, do ponto de vista psiquiátrico, a criança portadora de doença grave ou terminal e, também, a família do paciente. Cabe ainda ao consultor psiquiátrico o desafio de proporcionar atenção à equipe assistente, visto que o estresse a que são submetidos os "profissionais da linha de frente" é de tamanha intensidade, que alguns autores o compararam ao vivido no campo de batalha. A busca de um conhecimento profundo sobre si mesmos e sobre os aspectos relacionados à doença e à natureza do paciente sob seus cuidados pode permitir que os profissionais de saúde se posicionem com tranquilidade diante de uma criança gravemente doente e sua família. Quaisquer decisões que venham a ser tomadas precisam estar de acordo com os princípios éticos que cada indivíduo adota, mas também de acordo com os princípios éticos vigentes na contemporaneidade.

Descritores: desenvolvimento emocional da criança e do adolescente; paciente terminal; psiquiatria infantil; medicina paliativa; consultoria psiquiátrica; psiquiatria.

5 -  A influência da imigração na relação de casal: estudo de um caso
Luisa Falceto de Barros; Karla N. Conejero Roos; Inmaculada Edo Badia; Begoña Gil Hernández; Dora Rebelo Honório
Páginas: 26 - 45

Resumo

INTRODUÇÃO: Um grande número de imigrantes sul-americanos se traslada para Barcelona em busca de novas condições de vida. As tensões e decisões complexas que os imigrantes precisam enfrentar influenciam a dinâmica de suas relações significativas.
OBJETIVO: Este artigo apresenta uma pesquisa qualitativa sobre os efeitos da imigração na relação conjugal de um casal chileno residente em Barcelona.
MÉTODO: A análise do discurso é o método utilizado para a obtenção de resultados. Foram utilizadas as primeiras cinco sessões da terapia de casal. O escopo é indagar como os membros do casal experimentaram o processo migratório individualmente, como os modelos culturais influenciaram na hierarquia interna do casal, delimitar a adaptação de cada cônjuge ao país de acolhida e o papel da rede social no novo contexto.
RESULTADOS: Além das categorias que correspondem diretamente ao casal (estilos de comunicação, componentes do amor, vinculação amorosa, projetos básicos, comprometimento, componentes relacionais do casal), variáveis culturais parecem ter influído na mudança da hierarquia interna do casal estudado. O processo migratório e a adaptação ao país de acolhida foram vivenciados de forma diferente por cada um dos membros, tendo repercussões significativas em sua dinâmica relacional,facilitando a mudança de papéis, especialmente o maior poder da mulher. CONCLUSÃO: Os modelos culturais do país de acolhida tiveram um papel importante, já que propiciaram mudanças na dinâmica do casal. A influência da rede social na adaptação ao novo contexto é significativa.

Descritores: Casal, imigração, hierarquia interna, perda ambígua, vínculos.

6 -  Algumas considerações sobre postura ética em psicoterapia de orientação analítica
Adriano Neujahr Agostini
Páginas: 46 - 58

Resumo

INTRODUÇÃO: a ética em psicoterapia de orientação analítica vem sendo discutida desde o início da psicanálise, visto que é condição indispensável ao aparato técnico do psicoterapeuta. Determinadas situações na clínica psicoterápica tendem a tirar o terapeuta de sua posição ética, sendo necessário que ele resolva o problema sem infringir o código de valores da profissão.
OBJETIVOS: o autor busca identificar e discutir brevemente fatores relevantes em uma possível definição de postura ética a ser seguida pelo psicoterapeuta de orientação analítica.
MATERIAL E MÉTODO: foi realizada revisão sobre o tema na literatura de embasamento predominantemente freudiano e foram elaboradas, para ilustração e reflexão, quatro vinhetas clínicas, a partir da prática psicoterápica do autor.
RESULTADOS/CONCLUSÕES: são apontados os seguintes fatores: 1) a capacidade de se manter uma atenção livremente flutuante ao longo do processo; 2) a possibilidade de sustentar a estrutura do setting; e 3) o monitoramento da contratransferência e do que ocorre no campo bipessoal. É discutida a importância desses fatores de acordo com as particularidades de cada caso, bem como seu papel crucial na decisão de seguir ou não com os atendimentos.

Descritores: Ética; Psicoterapia; Ordens quanto à conduta (Ética médica).

7 -  Complejidad y esquizofrenia
Raúl Medina Centeno; Silvana Mabel Nuñez Fadda; Esperanza Vargas Jiménez; Remberto Castro Castañeda
Páginas: 59 - 71

Resumo

Hoy en día hablar de esquizofrenia implica hablar de complejidad. "Complejidad" significa incluir el orden recurrente-estructural, los patrones circulares sistémicos, en diferentes dimensiones, biológica, psicológica y social, pero también el desorden, lo que es cambiante en las mismas dimensiones. Orden y desorden forman parte de los procesos de salud y enfermedad mental y uno sin el otro nos llevarían al reduccionismo o al relativismo ingenuo. Conceptualizar la enfermedad mental desde la complejidad implica generar intervenciones complejas, obligadamente interdisciplinarias y complementarias. En este breve trabajo damos cuenta de la evolución de la terapia familiar en torno a la esquizofrenia, desde los primeros modelos interaccionales de la comunicación hasta las actuales propuestas de equipo interdisciplinario, tomando en cuenta el cambio del foco primero en explicaciones causales relacionales a los enfoques que privilegian la solución de los problemas y retos que plantea la enfermedad a la persona afectada y a su familia. Planteamos los desafíos actuales de la relación profesional entre la terapia familiar y la psiquiatría para atender los casos de esquizofrenia, apoyándonos en la teoría de la complejidad de Morin (1984), que nos conduce a una reflexión epistemológica y ética de los profesionales de la salud. Concluimos que el trabajo en red en la atención a personas y familias con psicosis requiere, ineludiblemente, el diálogo inclusivo entre profesionales de diversas áreas que permita relacionar y organizar los diferentes saberes en una práctica eficiente y verdaderamente interdisciplinaria.

Descriptores:Esquizofrenia, complejidad, interdisciplinariedad, terapia familiar, psiquiatría.

8 -  (Des)Construindo a violência filioparental - análise de um caso de intervenção terapêutica na violência filioparental com adolescente em acolhimento institucional
Neusa Patuleia; Isabel Alberto; Roberto Pereira
Páginas: 72 - 92

Resumo

Na sequência do crescente fenômeno de violência filioparental (VFP) em Portugal, e sem que profissionais e famílias tenham um referencial comum em torno dessa problemática, proliferam pedidos de avaliação e intervenção no âmbito da proteção de adolescentes com comportamentos disruptivos colocando-se recorrentemente em situações de risco, sem que os pais lhes consigam impor qualquer limite. Depois de avaliados, percebemos que as problemáticas apontadas são consequência de um padrão de VFP. Ilustramos um processo de intervenção terapêutica num desses casos, com adolescente em acolhimento institucional, visando a reunificação familiar. Numa perspetiva de intervenção ecossistêmica, preconizou-se trabalho em todas as áreas de vida da adolescente, nos diferentes níveis socioterapêuticos, a partir da intervenção terapêutica familiar, que decorreu em sessões de coterapia mensais (10 sessões+2 follow-up). Tendo como referência o protocolo utilizado no Centro de Intervenção em VFP, Euskarri, procurou-se reformular o problema identificado e desconstruir as narrativas dominantes em torno da VFP, incidindo nas 3 áreas disfuncionais da família: hierarquia; proteção/segredo; separação/fusão. Com a intervenção terapêutica realizada, o problema passou do adolescente violento para a dinâmica familiar vigente, pela circularidade e metacomunicação; verificaram-se mudanças qualitativas no padrão de funcionamento familiar, e foi possível a reunificação familiar.

Descritores: Violência filioparental; Intervenção terapêutica; Acolhimento institucional; Mudança; Reunificação familiar.

9 -  Primeiros Socorros Psicológicos: relato de intervenção em crise em Santa Maria
Thiago Loreto Garcia da Silva; Patricia Gaspar Mello; Karine Aline Laini Silveira; Laura Wolffenbüttel; Beatriz de Oliveira Meneguelo Lobo; Carla Hervê Moram Bicca; Rodrigo Grassi-Oliveira; Christian Haag Kristensen
Páginas: 93 - 104

Resumo

No Brasil, a psicologia das emergências e desastres é concebida como uma área de estudo e intervenção em fenômenos que envolvem situações de catástrofe. Nesse contexto, as intervenções em crise objetivam aumentar o percentual de sujeitos que se recuperam da tragédia e acelerar esse processo de reconstrução. Os Primeiros Socorros Psicológicos (PSP) são protocolos de intervenção que visam padronizar o atendimento às vítimas com base em evidências sobre reações agudas ao estresse. No presente artigo, é relatada a experiência de aplicação do referido protocolo em vítimas do incêndio da boate Kiss em Santa Maria. Ressalta-se que a intervenção possibilitou o acolhimento emocional dos sujeitos de forma empática e não invasiva, o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento (coping) adaptativas de forma conjunta e a busca de apoio social. Aponta-se para a necessidade de aprimoramento técnico e profissional para futuras intervenções em crise no contexto brasileiro.

Descritores: intervenção em crise, prevenção pós-desastre, primeiros socorros psicológicos.

Resenha de Filme
10 -  "O lado bom da vida": um olhar psicanalítico
Patrícia Fabrício Lago
Páginas: 105 - 109

Descritores: