Revista Brasileira de Psicoteratia

Submissão Online Revisar Artigo

Vol 14 N° 1  2012

 

Nota dos editores júnior
1 -  Nota dos editores júnior
Érico de Moura Silveira Júnior; Débora Vigevani Schaf; Caroline Buzzatti Machado; Anne Orgler Sordi; Luciana Terra; Lívia Hartmann de Souza
Páginas: 7 - 8

Descritores:

Editorial
2 -  Editorial - a capacidade de sonhar e a ética do psicoterapeuta
Roosevelt M.S. Cassorla
Páginas: 9 - 12

Descritores:

Artigos Originais
3 -  O ensino de técnicas psicoterápicas aplicadas à infância e adolescência
Ana Margareth S. Bassols; Olga Falceto; David S. Bergmann; Victor Mardini; José Ovídio Waldemar; Regina B. Palma; Liseane C. Lyszkowski; Maria Lucrécia Scherer Zavaschi
Páginas: 13 - 33

Resumo

O ensino da psicoterapia de orientação psicanalítica (PP) na Residência e Curso de Especialização em Psiquiatria da Infância e Adolescência da UFRGS/ HCPA ocorre há várias décadas, embasado principalmente no marcado perfil psicanalítico e psicodinâmico da formação psiquiátrica em nosso estado. Na década de 1980, introduziu-se a psicoterapia familiar (TF) e nos anos de 1990, a terapia cognitivo-comportamental (TCC). Os autores apresentam e revisam o ensino dessas três abordagens psicoterápicas desenvolvidas com crianças, adolescentes e suas famílias neste serviço. São também utilizadas as terapias de grupo, associadas ou não a outras abordagens, adequandoas ao diagnóstico, à faixa etária dos pacientes e ao seu contexto familiar e cultural. O objetivo dessas intervenções é o de tratar crianças, adolescentes e suas famílias, auxiliando-os a superar os bloqueios ao desenvolvimento, promovendo suas capacidades e amadurecimento.

Descritores: ensino; psicoterapia; psiquiatria; infância e adolescência; psicoterapia psicanalítica; psicoterapia familiar; terapia cognitivo-comportamental.

4 -  Assistência e ensino de psicoterapia no programa de atendimento e estudos de somatização (PAES-UNIFESP)
José Atílio Bombana; Cristiane Curi Abud; Ricardo Almeida Prado
Páginas: 34 - 48

Resumo

O Programa de Atendimento e Estudos de Somatização (PAES-UNIFESP) é um serviço universitário público voltado para a assistência, ensino e pesquisa relacionados à somatização. Neste artigo, os autores traçam o percurso de mais de vinte anos de história (sendo mais de dez no atual formato). A seguir, fazem uma descrição das atividades, com ênfase para os atendimentos psicoterápicos de grupo, uma marca do serviço. Descrevem os métodos e técnicas empregados no atendimento dos pacientes, destacando como abordagem terapêutica central a psicoterapia de base psicanalítica, porém adaptada às peculiaridades dos somatizadores, que requer a utilização de distintas modalidades psicoterapêuticas. É abordado o ensino ministrado a alunos de psicologia e medicina, médicos residentes de psiquiatria e médicos de outras especialidades, que se dá através da assistência aos pacientes, aulas sobre psicossomática psicanalítica, supervisões, participação nas reuniões clínicas, produção de pesquisa e uma monografia sobre a sua experiência clínica. Quanto ao conteúdo e à metodologia de ensino, desta-ca-se a elaboração de um diagnóstico segundo critérios psiquiátricos e psicodinâmicos na triagem, a partir do qual se avalia a abordagem técnica mais indicada para cada caso, o que inclui o estudo da transferência e da interpretação. São discutidos pontos de impasse do Programa como questões institucionais, a base teórica que fundamenta a abordagem terapêutica (a psicanálise) e vicissitudes do ensino, entre outros.

Descritores: Psicoterapia; Ensino; Somatização; Psicossomática; Psicoterapia de Grupo; Psicologia; Medicina; Residência e Internato; Supervisão; Psicanálise; Psicoterapia Psicodinâmica; Tratamento.

5 -  Intervalo produtivo: a experiência do "Curso de Psicoterapia de Orientação Psicanalítica" em Ribeirão Preto
Suad Haddad de Andrade; Beatriz Troncon Busatto; Guiomar Papa de Morais; Maria Lucimar Fortes Paiva Defino
Páginas: 49 - 61

Resumo

Os autores descrevem o modelo de funcionamento do "Curso de Psicoterapia de Orientação Psicanalítica" em Ribeirão Preto. O intervalo de tempo entre a graduação dos profissionais de psicologia e medicina e a sua definição profissional, que se caracteriza como um período de intensas angústias, pode se tornar um Intervalo Produtivo para todos os alunos. O curso possibilita que profissionais da área troquem experiências e encontrem maiores estímulos para seus estudos, assim como constitui um acolhimento das dificuldades através do encontro entre profissionais, iniciantes ou com alguma experiência em suas atividades. O curso também se configura como uma forma de preencher as lacunas da formação que as faculdades, inevitavelmente, apresentam em função dos seus objetivos curriculares. A difusão da psicanálise como método para se conceber e interpretar o mundo se apresentou também como um aspecto bastante relevante, sendo essa concepção levada pelos alunos aos diversos ambientes e atividades em que desenvolvem seus trabalhos.

Descritores: Ensino, Psicoterapia, Psicoterapia de Orientação Psicanalítica, Difusão da Psicanálise, Teoria e Técnica Psicanalítica.

6 -  Os primeiros passos no processo de tornar-se psicoterapeuta sob o referencial da Abordagem Centrada na Pessoa
Vera Lucia Pereira Alves; Daniela Dantas Lima
Páginas: 58 - 70

Resumo

O processo de tornar-se psicoterapeuta, segundo os princípios da Abordagem Centrada na Pessoa (ACP), não é algo que ocorra com a aprendizagem da graduação, demanda muito mais prática do que a oferecida durante este curso; é nas clínicas escola que o estudante começa a trilhar seu caminho. O presente trabalho teve como objetivo compreender como se dava o processo de tornar-se psicoterapeuta de alunos do último ano de um curso de psicologia, em uma universidade privada do estado de São Paulo, Brasil, descrevendo parte de sua experiência e seus significados, reconhecendo os sentimentos vivenciados ao longo do processo. O material de estudo foi o registro escrito do sentido de cada uma das sessões realizadas, nomeado por Versões de Sentido (VS). Os textos das VS foram analisados em acordo aos princípios da metodologia fenomenológica. Observou-se que o momento vivido por esses estudantes compreendia quatro fases distintas: angústia, compreensão, retrocesso e separação, sendo cada uma delas repleta de especificidades, e foi fomentado o questionamento de se estas seriam "fases de um psicoterapeuta iniciante" ou "fases com um cliente iniciante".

Descritores: Psicoterapia; Ensino; Prática (Psicologia); Humanismo; Aprendizagem.

7 -  O cinema no ensino da psicoterapia psicodinâmica
Cíntia V. C. Heidemann; Rachel Montagner; Miriam Brunstein; Claúdio Eizirik
Páginas: 76 - 91

Resumo

O cinema tem sido uma estratégia utilizada no ensino de psiquiatria e psicoterapia. Foi realizada uma revisão da literatura sobre o uso do cinema no ensino da psicoterapia psicodinâmica, suas vantagens e desvantagens. Esse recurso didático foi ilustrado pela análise do filme Cisne Negro com o enfoque de estudar vínculo mãe e filha no transtorno alimentar. O cinema apresenta vantagens em relação a alguns métodos tradicionais, mas não substitui a experiência de ficar frente a frente com o paciente. O artigo propõe que filmes podem ter um papel importante no ensino da psicoterapia psicodinâmica, principalmente quando se refere a terapeutas em formação ou ainda inexperientes.

Descritores: Psicoterapia; ensino; psicoterapia psicodinâmica; cinema; filmes; formação psiquiátrica.

8 -  Ensinando psicoterapia com idosos: desafios e impasses
Marcia Cristina Nascimento Dourado; Maria Fernanda Barroso de Sousa; Raquel Luiza Santos
Páginas: 92 - 102

Resumo

Atualmente, observa-se que o uso de psicoterapia no tratamento de idosos tem objetivos amplos, como aumento da adesão ao tratamento, redução dos sintomas, elaboração de trabalho de luto relacionado às perdas decorrentes das modificações nos papéis sociais e familiares e melhora da qualidade de vida dos pacientes e familiares. Este artigo tem como objetivo discutir o processo de ensino da psicoterapia com idosos no Serviço de Psicoterapia do CDA-IPUB/UFRJ. O ensino realiza-se através de supervisão semanal, na qual cada caso clínico é apresentado dentro do tripé teoria/técnica/envelhecimento. A supervisão possibilita a realização de um trabalho de elaboração e síntese teórico-técnica que oferece os contornos de uma identidade para o profissional que está se capacitando no atendimento a idosos. Consideramos que a supervisão possui fundamentalmente uma finalidade de desenvolvimento criativo que mobiliza o terapeuta para questões que transcendem as situações imediatas do processo de envelhecimento. Expectativas sobre a competência profissional, a necessidade de estabelecer uma relação multidisciplinar com outros profissionais da instituição, ansiedades frente a um tipo de atendimento específico, são bons exemplos dos matizes das experiências que se apresentam. Além disso, devemos levar em consideração a importância do desenvolvimento da pesquisa para o incremento do ensino e da formação de novos psicoterapeutas, pois essa formação em nosso país reflete a realidade um campo fragmentado, tanto do conhecimento, quanto de atuação. A existência de diferentes referenciais teóricos caracteriza a necessidade de incentivo, ainda na graduação, às pesquisas na área de psicoterapia, principalmente com populações específicas como os idosos.

Descritores: psicoterapia; ensino; idoso; psicologia; envelhecimento.

Resenha de Peça
9 -  Inimigos de classe de William Nigel montada por Luciano Alabarse
Ruggero Levy
Páginas: 103 - 106

Descritores:

Resenha de filme: Um Divã para Dois
10 -  Um Divã para o Amor
Luiz Carlos Mabilde
Páginas: 107 - 110

Descritores: