Revista Brasileira de Psicoteratia

Submissão Online Revisar Artigo

A pesquisa para o autor ou co-autor encontrou 2 resultados

Caracterização da clientela de bebês em uma clínica-escola de psicoterapia psicanalítica
Karina Recktenvald1; Manoela Yustas Mallmann2; Fernanda Munhoz Driemeier Schmidt3; Guilherme Pacheco Fiorini4; Camila Piva da Costa Cappellari5
Páginas: 15 - 30

Resumo

OBJETIVO: Descrever o perfil sociodemográfico e clínico dos bebês de zero a 36 meses que foram levados por seus pais ou responsáveis para psicoterapia em uma clínica-escola em saúde mental de Porto Alegre.
MÉTODO: Realizou-se um estudo documental de revisão de prontuários dos pacientes atendidos entre maio de 2009 a maio de 2016. Os responsáveis pelos pacientes que chegaram à instituição nesse período responderam uma ficha sociodemográfica, abarcando dados sobre a criança e seu contexto, e o Child Behavior Checklist (CBCL), versão de 1½ a 5 anos de idade. Incluíram-se no estudo todos os bebês triados na clínica-escola e suas respectivas famílias (n=25).
RESULTADOS: Grande parte dos pacientes cujas famílias procuraram atendimento já tinham completado 2 anos de idade (92%), e pouco mais da metade desses bebês residiam com ambos os pais (52%). Profissionais da área da saúde foram a principal fonte de encaminhamento (44%), seguidos das famílias dos bebês (28%) e das escolas que frequentam (24%). Os motivos de busca para atendimento mais encontrados foram comportamento agressivo (36%), problemas de atenção (20%) e ansiedade/depressão (16%). A partir dos resultados do CBCL, identificou-se que 48% dos bebês apresentaram escore clínico em sua média total, 44% apresentaram escore clínico para problemas internalizantes e 36% para problemas externalizantes.
CONCLUSÃO: Ressalta-se a necessidade de popularizar os conhecimentos acerca da saúde mental dos bebês.

Descritores: Psicoterapia psicodinâmica. Sinais e sintomas. Pacientes ambulatoriais.

Psicoterapia psicanalítica de casais e famílias: caracterização da clientela
Tamires Pires1; Daniela Berger2; Guilherme Pacheco Fiorini3; Marina Bento Gastaud4
Páginas: 40 - 54

Resumo

OBJETIVO: Descrever o perfil sociodemográfico e clínico dos bebês de zero a 36 meses que foram levados por seus pais ou responsáveis para psicoterapia em uma clínica-escola em saúde mental de Porto Alegre.
MÉTODO: Realizou-se um estudo documental de revisão de prontuários dos pacientes atendidos entre maio de 2009 a maio de 2016. Os responsáveis pelos pacientes que chegaram à instituição nesse período responderam uma ficha sociodemográfica, abarcando dados sobre a criança e seu contexto, e o Child Behavior Checklist (CBCL), versão de 1½ a 5 anos de idade. Incluíram-se no estudo todos os bebês triados na clínica-escola e suas respectivas famílias (n=25).
RESULTADOS: Grande parte dos pacientes cujas famílias procuraram atendimento já tinham completado 2 anos de idade (92%), e pouco mais da metade desses bebês residiam com ambos os pais (52%). Profissionais da área da saúde foram a principal fonte de encaminhamento (44%), seguidos das famílias dos bebês (28%) e das escolas que frequentam (24%). Os motivos de busca para atendimento mais encontrados foram comportamento agressivo (36%), problemas de atenção (20%) e ansiedade/depressão (16%). A partir dos resultados do CBCL, identificou-se que 48% dos bebês apresentaram escore clínico em sua média total, 44% apresentaram escore clínico para problemas internalizantes e 36% para problemas externalizantes.
CONCLUSÃO: Ressalta-se a necessidade de popularizar os conhecimentos acerca da saúde mental dos bebês.

Descritores: Psicoterapia psicodinâmica. Sinais e sintomas. Pacientes ambulatoriais.